Informações Médicas

Durante o primeiro ano:

Investigação dos órgãos neurossensoriais.

Avaliação do perfil metabólico:

  • Tireoidiano (TSH, T4 livre)
  • Glicídico (carbohidrato, glicemia de jejum, hemoglobina glicosada, colesterol LDL, HDL, VLDL e triglicérides).
  • Renal (uréia, creatinina, Na, K, urina I e urocultura com contagem de colônias e antibiograma).

Problemas da tireóide são comuns na SD (16 a 22%), sendo mais freqüente o hipotireoidismo congênito que deve ser detectado logo para que possa ser tratado precocemente.

Ultrassom de vesícula biliar.

Reavaliação audiológica e oftalmológica.

Imunização com complemento.

O bebê com SD tem um calendário de vacinação mais abrangente que visa prevenir o mais amplo contexto infecto-contagioso estimulando o seu sistema imunológico.

Os portadores da SD apresentam um cromossomo 21 a mais em suas células (por isso a síndrome é também chamada de "trissomia 21") e é sabido que o cromossomo 21 apresenta normalmente a função de adequador do sistema imunológico do organismo. É por isso que as crianças portadoras da Síndrome de Down estão mais suscetíveis a viroses e infecções por bactérias se comparadas a uma criança com perfeito funcionamento do cromossomo 21.

Portanto, como o risco de doenças é maior nos portadores de SD, o calendário vacinal deve ser diferenciado. As doenças infecciosas são a segunda maior causa de morte entre as pessoas portadoras da Síndrome de Down (90% dessas pessoas apresentam baixa imunidade).

Novas avaliações com cardiologista, ortopedista, endocrinologista, neurologista, etc, caso necessário

Investigação de refluxo gastroesofágico com Doppler colorido, EED e/ou Ph-metria.

Hemograma completo.

Exame dos níveis de cálcio, fósforo e fosfatase alcalina.

Avaliação da necessidade de complemento vitamínico e mineral de rotina pediátrica.

(Alterado do protocolo clínico de seguimento médico em síndrome de Down – Autoria: Dr. Zan Mustacchi)

Voltar